Todos os poemas aqui postados são de autoria de Ineifran Varão

TODOS OS POEMAS AQUI POSTADOS SÃO DE AUTORIA DE INEIFRAN VARÃO

Este blog é exclusivamente para postagem do moderníssimo varano, estilo de poema criado por Ineifran Varão, cujas regras e orientações estão disponíveis para todos os poetas que desejarem praticá-lo.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

SOU TEU LENHO


Adocicada
Como a cocada;
Tão perfumosa
Como uma rosa
... Assim tu és!

Teu jeito meigo
A qualquer leigo
Torna cativo...
E o fugitivo
... Cai a teus pés!

Teu gênio ‘forte’
Do gume é o corte,
Que ceifa o mal,
Na diagonal
... Do seu revés!

Que bom que a tenho
E sou teu lenho...
Nunca me queixo;
Nunca te deixo
... Fico... Ao invés!
  
Sou teu madeiro
De corpo inteiro!
Tu és minha meta
De forma reta
... Ou de viés!

domingo, 25 de agosto de 2013

BRASIS


A neve cai
E sobressai
Cobrindo as folhas
Que, sem escolhas,
... Vergam-se ao chão!

No frio, o vinho
Abre caminho,
Pra mais um dia
De alegria
... Lá no rincão!

No outro extremo,
Um sol supremo,
Em água morna,
Aquece e adorna
... Mesma estação!

Em águas tépidas,
Descendo intrépidas,
Cruzam canoas...
Muitas pessoas
... Mesma nação!

Anda-se um pouco,
Vê-se o caboclo
E a verde mata,
Que arrebata
... Na imensidão!

No litoral,
O coqueiral
Encontra a praia,
Que ali se espraia...
... Contemplação!

Quanta riqueza,
Quanta beleza!
Mesmo país!
Deus assim quis...
...  Que presentão!

Tantos presentes,
Tão diferentes,
Dados por Deus!
São meus, são seus!
... Que Brasilzão!

sábado, 24 de agosto de 2013

NÓS


Dançava a neve
Caindo leve
E ela sorria...
Pura magia
... No alvor do chão!

Lábios em cor,
Qual linda flor,
Brincava solta,
De neve envolta
... Quanta emoção!

Fotografei,
Depois lhe dei!
Eu era ignoto;
Hoje, um devoto
... Na multidão!

O tempo andou,
Mas nos deixou
Assim, felizes!
Somos raízes
... De uma paixão!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

CORDIALIDADE


De nada adianta...
No brejo, a anta
Atola as patas,
Nem com chibatas
... Vai se salvar!

A hiena passa
E acha graça,
Solta risada
Destrambelhada
... Pra esculachar!

Um corvo, do alto,
Sugere um salto...
Outro se atreve,
Mesmo que breve
... A se arriscar!

Mono, com pena,
Xingou a hiena,
Pegou cipó,
Preparou nó
... Para laçar!

Vieram outros
E aqueloutros;
Até um ‘gibão’
Deu sua ‘mão’
... Para ajudar!

Moral da história
Da cena inglória:
Até ‘animais’
São cordiais
... Vale lembrar!


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

ELUCUBRAÇÃO


Existem, sim,
Dias assim...
Questões flutuam,
Mal se pontuam
...Nem nós sabemos!

Em nós palpita,
Calado grita,
A se agarrar,
Nosso pensar!
...Saber queremos!

Mas, sim, existem,
E em nós persistem
Sinais sem pontos,
Quais microcontos
...Que nem nós lemos!

Vemos o longe
No olhar do monge,
Num retrospecto...
Silhueta... Espectro
...Mal concebemos!
  
Dúvidas tantas,
Verdades quantas,
No emaranhado
Redesenhado
...Que mal podemos!

Bem disse o sábio
Que do astrolábio
Fazia uso...
Era ‘confuso’
...Como hoje vemos!

É imenso o vácuo,
E o fogo fátuo
Some de vista...
Ainda que exista
...Acreditemos!

Já não assombra
Se escombro, ou sombra!
Longa é a viagem
Nessa passagem!
...Pra onde iremos?

domingo, 18 de agosto de 2013

PINTEI-TE À LUZ DE VELA


Amanhecia,
Pois, mais um dia,
Sob a neblina...
Minha rotina
... Era a janela!

Anos a fio,
Inverno... Estio...
Nada mudava;
Tempo levava
... Minha aquarela!

Mas veio u’a noite
E eu, de pernoite,
Fiz um rascunho
De próprio punho
... Tinta amarela...

E o céu se abriu!
U’a luz surgiu
E eu vi a lua,
Na mesma rua
... Linda e tão bela!
  
De um castiçal
Original
Luzia calma
Luz em minh’alma
... Vi-te donzela!

..........................
Nem sempre o sol,
Lá no arrebol,
Completa o quadro...
PINTEI-TE ao lado
... Na minha tela!

Bela pintura,
Co’a tua figura
Exposta ao vento...
Foste o alento
... Minha ‘capela’!

És qual candeia,
Que me incendeia...
Qual vela acesa,
Na singeleza
... Que te revela!
  
Ficaste linda,
Como és ainda!
Ali, te amei
E te beijei
... À luz de vela!

sábado, 10 de agosto de 2013

... E ASSIM FOI



Já não tem cor
Aquela flor
Que um dia colhi...
Foi-se e eu não vi
... Desvaneceu!

Esse é o caminho
Que o pergaminho
Chamou de fado...
Posto de lado
... Também morreu!



quinta-feira, 8 de agosto de 2013

INCÓGNITAS



Sempre que eu vejo
N’algum lampejo
Tua presença,
Aumenta a crença
... Do que já fomos!

Vidas passadas
Não são lembradas!
Como saber
Se pôde ser
... Ou se inda somos?...

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

'IMPEACHMENT'


Toda barbárie
Rima com cárie;
Mas a primeira,
Cria das ‘toupeiras’
... Tem colarinho!

Ela usa terno,
Irá pro inferno!
Tem gabinete,
Tem palacete,
... E tem jatinho!

Ataca as gentes
Não só nos dentes;
Ataca o pão
Do cidadão
... Do ‘puxadinho’!

Viaja de graça,
Tem nome em praça,
Tem nome em rua,
Faz falcatrua
... Sai ‘de fininho’!

Não tem escrúpulo,
Bebe do lúpulo,
Que o pobre planta...
Enche a garganta
... Dá-lhe um troquinho!

Legisla bem
Para ninguém...
Se em própria causa,
Não faz nem pausa
... É e tem padrinho!

Em suas campanhas,
Montas tamanhas
Dão-lhe suporte!
Por bom aporte
... Ele é bonzinho!

Ao povo ignora...
Menos na hora
De uma eleição:
Aí... Dá a mão
... E dá beijinho!

Tão sifilítico
Ficou o político!
Tão imoral!
Tão marginal!
... Um ser mesquinho!

A impunidade
E a falsidade
Têm que ter fim...
“Impeachment”  SIM!
... Esse é o caminho!

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

LEVOU-ME O TEMPO


Bate a saudade
A dor invade
E na distância
Aumenta a ânsia!
...Recordação!

O tempo passa
Deixa a vidraça
Tão embaçada
Que da calçada
...Não há visão!

Um contratempo
Levou-me o tempo...
Feriu-me a vida...
Vi tua partida
...Da minha mão!