Todos os poemas aqui postados são de autoria de Ineifran Varão

TODOS OS POEMAS AQUI POSTADOS SÃO DE AUTORIA DE INEIFRAN VARÃO

Este blog é exclusivamente para postagem do moderníssimo varano, estilo de poema criado por Ineifran Varão, cujas regras e orientações estão disponíveis para todos os poetas que desejarem praticá-lo.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Cai-me na mão,
Como um clarão,
O teu bilhete,
Num ramalhete
... Feito de rosas!

Numa palavra
Da tua lavra,
Fechaste o cerco...
Já não me perco
... Em polvorosas...

Deste-me o espaço
Do teu regaço
Que hoje me acalma...
Sorri minh’alma
... Nas minhas prosas!

Vou sem queixumes
Aos teus perfumes...
Cheiros de flor,
Noites de amor
... As mais gostosas!

Bilhete antigo,
Trago-o comigo,
Em imagens tuas
De noites nuas
...  De amor cheirosas!

sexta-feira, 19 de abril de 2013

MEU INSTINTO


Lá inda há rosas,
Das mais cheirosas,
Mas teu perfume,
Já de costume
... De longe eu sinto!

Em meu jardim,
Cheiras pra mim
Mais do que flor...
Ser teu amor
... É o meu instinto!

quinta-feira, 11 de abril de 2013

EQUILÍBRIO


Descia solta
Em nada envolta
Ao vento leve
E em cor de neve
... Ia se banhar...

Era suave
E sem entrave...
Em meio a folhas,
Fazia bolhas
... Para brincar...

Alvo certeiro
De um forasteiro,
Perdia a vida
Ali caída
... A expirar...

O humano podre
Que usou seu coldre
Vê a águia branca!
Lágrima arranca!
... Vai se matar!

U’a mão divina
Salva-lhe a sina!
Vem alma santa,
E ao mal espanta
... Era a águia a voar!

...........................
O homem destrói!
O mal corrói!
Mas vem o bem
Que lhes detém
... A equilibrar!

terça-feira, 9 de abril de 2013

CUIDA-TE LOGO


Retira o véu
Sem escarcéu
E mostra ao mundo
O quão profundo
... É teu pensar!

Usa essa mente
Inteligente!
Trabalha o bem
Sem ver a quem
... Tens a ajudar!

Quando te fores
Nem mesmo as flores
Irão contigo!
No teu jazigo
... Irão murchar...

Bem material
Isso é banal...
Em outra vida
É outra a lida
... A mourejar...

Tuas qualidades
E as tuas verdades,
Todo o teu zelo
E o teu desvelo
... Irão contar!

Aqui vieste
Com essa veste
Que deixarás
Bem para trás
... Sem mais lembrar!

Cuida-te, pois,
Porque depois
Prestarás contas
Das tuas montas
... Ao lá chegar!

sexta-feira, 5 de abril de 2013

ESCRITO A MÃO


Por onde vais
Se no meu cais
Tu estais a salvo
E tu és meu alvo
... Na multidão?

Dei-te o meu colo
Sem protocolo...
Dei-te carinho
Urdi um ninho
... Alto do chão...

Dei fogo e lenha
Minha resenha...
No reconforto
Fiz-me teu porto
... Dei-te água e pão!

Ó que heresia!
Tu és a Poesia...
E eu te escrevi
Como te vi
... Num escrito a mão!

Sem pergaminho
Amei-te ao vinho
Num folhetim
Que era, pra mim,
... Papel de pão!

Agora tu andas
Por outras bandas
Quem sabe... Em flerte!
Vou escrever-te
... N’areia do chão!

Virá a chuva
Como uma luva
Para apagar
O que sobrar
... Dessa paixão!

IGARA


Do alto do monte
Quase horizonte
Desponta em luz
Um noctiluz
... Em noite clara!

Clara lembrança
Que a semelhança
Traz a minh’alma...
E em noite calma
... Meu sonho ampara!

Vem ela em pluma
De parte alguma
Mostra-me o seio
Que traz no meio
... Tatuada a igara!

Foi dentro dela
Que em noite bela
No manso rio
Rendeu-se ao cio
... E ali me amara...

Aves cantaram
Águas dançaram
Molhando a blusa
Na luz difusa
... Da noite rara!



segunda-feira, 1 de abril de 2013

MUNDOS... TANTOS!


Estrelas brilham
No céu que trilham
Pelo universo
Como o meu verso
... Que não tem fim...

Longínquos pontos
Que em muitos contos
São inspiração
Sempre o serão
... Também pra mim!

Quiçá são mundos
Talvez fecundos...
Eu os vejo em sonhos
Bons e medonhos
... Com gente, sim!

Tantos espíritos!
Testes empíricos
Provam versões
Sem mais senões
... Com algo afim!

Vida que segue
E ainda há quem negue!
No controverso
Há verso e anverso
... Fogo e jardim!

Mundos melhores
Mundos piores...
Para onde iremos?
Nós não sabemos
... Só Deus... Enfim!